ROTINAS DE PLANEJAMENTO


Quando pensamos em nossos objetivos quotidianos, vem a nossa mente aquilo que é essencial para nossa sobrevivência. Saúde, Alimento, Água e Luz elétrica, são alguns destes itens e é nesse contexto que a Sendi Engenharia e Sendi Pré-Fabricados estão inseridas.

Com uma trajetória de mais de 26 anos no mercado e atuando na construção de subestações, fábricas, hospitais e diversos tipos de edificações para as mais variadas finalidades que possibilitam o desenvolvimento do nosso país.

Contudo, para que nossos sonhos se concretizem, é necessário antes de qualquer passo que pensemos e planejemos para obter sucesso. Na Sendi, contamos com rotinas bem definidas de planejamento e controle que possibilitam traçar estratégias e acompanhar sua realização de forma gradativa e mais ainda, quando for necessário corrigir a rota, atuar para que no final haja êxito.

A seguir, procuraremos descrever as etapas que estão envolvidas neste processo:

Inicialmente, quando se pensa em planejamento e controle, logo nos vem a mente o chamado ciclo PDCA (Plan – Do – Check – Act), que consiste em planejar, executar, checar se o plano está sendo seguido e agir para corrigir desvios.

Figura 01 – Cíclo PDCA


Pensemos em um caso prático da construção de uma subestação de transmissão de energia elétrica.

Figura 02– Subestação Finalizada Pela Sendi Engenharia em 2020. Para traçarmos o planejamento para um empreendimento como este é necessário trabalharmos com uma visão do todo, de todas as fases do empreendimento que se interligam e são estas Engenharia, Compras e Construção, ou também chamado da construção de um empreendimento em regime EPC (Engineering, Procurement and Construction).

Pensando-se desta forma, podemos ver que para o sucesso do empreendimento ocorrer, os projetos precisam ser elaborados no momento oportuno, as compras precisam ser feitas e os produtos entregues no momento oportuno e a construção precisa ser realizada também tempestivamente.

Diferentemente do que ocorre em outros tipos de empreendimento, devido ao prazo de fabricação dos equipamentos e de engenharia serem bastante representativos, adota-se a estratégia chamada de fast-tracking, ou seja, estas etapas caminham paralelamente entre si e elas também caminham paralelamente com a etapa de construção.

Figura 03 – Esquema de Inter-relação de fases em Fast Tracking Assim sendo, faz-se necessário mapear em nosso cronograma, que é a ferramenta básica do planejamento e controle, todas as partes interessadas ou stakeholders para podermos através dos vínculos entre elas diagnosticar possíveis impactos, tanto positivos quanto negativos ao empreendimento.

Feito este mapeamento, crava-se a linha de base do empreendimento, elaboram-se documentos de controle como Curva “S” e Gestão a Vista e passa-se a haver um acompanhamento periódico das atividades do empreendimento frente a esta linha de base. Normalmente este acompanhamento é atualizado semanalmente e neste momento, avalia-se como está o comportamento do projeto. Caso as atividades estejam se desenvolvendo conforme o previsto, não se faz necessário replanejá-las, deve-se prosseguir monitorando-as.

Contudo, caso haja desvios, deve-se atuar, replanejando as atividades, analisando quais os motivos estão levando ao resultado diferente e tomar medias para correção de rota. Fazendo-se este processo que baseia-se como mencionado anteriormente no ciclo PDCA, caminhamos com o processo de monitoramento e controle durante a fase de execução das atividades até que se chegue ao momento do encerramento.

Neste momento, há também algumas etapas bem distintas como o levantamento de pendências, resolução e baixa das mesmas e encerramento do projeto. Rotinas de planejamento, são seguidas em nossas atividades com o objetivo de trazer aos empreendimentos confiabilidade e previsibilidade o que facilita a tomada de decisões, razão pela qual temos adotado as mesmas.


CONFIRA ALGUNS PROJETOS DA SENDI ENGENHARIA


por Raphael Forastieri

Engenheiro de Planejamento na Sendi


103 visualizações

Posts recentes

Ver tudo